Circuito de canoagem slalom reabre para competição internacional

A obra de engenharia mais complexa dos Jogos Rio 2016, o circuito de canoagem slalom, no Complexo de Deodoro, transformou-se num importante legado esportivo e social para a cidade. De 14 a 16 de outubro, o local reabre para competições e recebe 50 atletas de sete países, que vão disputar o campeonato Pan-Americano e Sul-Americano de canoagem slalom.

Serão disputadas as provas K1, C1 e C2 masculinas e K1 e C1 femininas, nas categorias Júnior e Sênior. Além do Brasil, participam da competição Argentina, Chile, Costa Rica, México, Paraguai e Venezuela.

O Brasil tem boas chances de medalhas com Pedro Henrique Gonçalves, o Pepe, e Ana Sátila. Os dois disputaram os Jogos Olímpicos Rio 2016. Pepe ficou em sexto no K1 masculino, sendo responsável pelo melhor resultado da história do País na modalidade.

O Estádio de Canoagem Slalom tem percurso permanente com 250 metros de corredeira. Em dias sem competições, o lago artificial se transforma em uma piscina pública para os moradores da região.  O espaço para lazer conta ainda com áreas de descanso, chuveiros, piso antiderrapante e antitérmico, boias, espreguiçadeiras, mesas, cadeiras, ombrelones, banheiros químicos, área para crianças, bebedouros e pontos de venda de bebidas e lanches. A entrada é gratuita e funciona de sexta a domingo e também aos feriados, das 9h às 17h.

Legado social: Parque Radical vira piscinão público em dias sem competições (JP Engelbrecht/Prefeitura do Rio)

Legado social: Parque Radical vira piscinão público em dias sem competições (JP Engelbrecht/Prefeitura do Rio)