História

A Autoridade Pública Olímpica é um consórcio público interfederativo formado pelo governo federal, Estado e  Prefeitura do Rio de Janeiro. Criada pela Lei Federal nº 12.396, de 21 de março de 2011, a APO é uma das garantias oferecidas pelo Brasil ao Comitê Olímpico Internacional (COI), durante a candidatura da cidade do Rio para sediar os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

O objetivo da instituição é coordenar as ações governamentais para o planejamento e a entrega das obras e dos serviços necessários à realização dos Jogos.

O primeiro presidente da APO, escolhido pela Presidente da República, foi Márcio Fortes de Almeida, ex-ministro das Cidades. O General Fernando Azevedo e Silva teve seu nome aprovado pelo Senado Federal em 14 de outubro de 2013 e presidiu a APO até o dia 13 de março de 2015, quando o diretor-executivo Marcelo Pedroso foi nomeado presidente em exercício da instituição.