Seminário discute lições do modelo de segurança dos Jogos Rio 2016

O modelo integrado de segurança utilizado pelo Brasil nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 foi tema de seminário nesta semana promovido pelo Ministério da Defesa, em Brasília. O encontro “Lições Aprendidas na Segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016” reuniu autoridades e representantes do Japão, próximo país a sediar o evento, em 2020 para discutir oportunidades de aperfeiçoamentos a partir da experiência dos Jogos.

“O Brasil cumpriu o compromisso de organizar Jogos seguros e de celebração pacífica, conforme previa o dossiê de candidatura”, afirmou o diretor executivo da Autoridade Pública Olímpica (APO), Sergio Pereira, que participou da abertura do seminário. Na apresentação “A Segurança sob a Perspectiva da APO”, a instituição mostrou a importância de acompanhar o planejamento integrado de segurança dos Jogos, inédito para o País. Esse acompanhamento realizado pela APO permitiu realizar a interlocução entre os envolvidos e, em alguns casos, intermediar ações entre os três eixos de segurança (Segurança Pública, Defesa Civil, Defesa Nacional e Inteligência) para a solução de impasses.

O adido das Forças Armadas do Japão, coronel Toru Yamachi, destacou a importância do modelo integrado brasileiro no combate ao terrorismo e afirma que pretende utilizar as lições aprendidas para aprimorar a segurança nos Jogos de Tóquio 2020.

A Defesa Nacional contou com um efetivo de mais de 43 mil militares, que realizou mais de 12 mil patrulhas, realizou mais de 600 escoltas, 35 decolagens para interceptação ou alerta em voo e cerca de 500 procedimentos de varreduras ou monitoramento de instalações ligadas ao evento.

 

(Foto de capa: Exército Brasileiro / Vídeo: Ministério da Defesa)